sábado, 28 de junho de 2014

Uma nova menina

Olá pequenas borboletas!
Como sugere o título desse post. Me declaro uma nova garota.
Uma garota livre de obsessões,
Livre de medos,
Livre de lâminas e cortes,
Livre de depressão.
Sim, eu posso dizer com toda a certeza que me livrei do transtorno alimentar.
Foram quase dois anos perdidos da minha juventude, anos esses que eu não posso recuperar, mas que por outro lado me fazem uma guerreira, uma sobrevivente.
Decidi passar a cuidar mais de mim.
Cardiologista (para diminuir meu colesterol que se alterou por conta da bulimia) e dermatologista (para diminuir a aparência das cicatrizes do cutting) já estão marcados.
Em breve marcarei um nutricionista para melhorar minha alimentação e de quebra melhorar meu corpo e elevar minha auto estima.
Devo tudo isso a minha pequena Mei e a minha psicóloga Zi. Se elas não tivessem acreditado em mim nada disso teria acontecido.

E por ultimo, eis uma grande duvida que hoje se comprova que foi esclarecida!

Sim! Transtorno alimentar tem cura!
Mas só depende de você...

E se posso fazer um pedido, SEJAM FELIZES MEUS AMORES!

"Vocês podem ter o peso que quiserem, contanto que suas mentes e suas almas estejam em paz"

Abs: Gabriela Costa.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Noticias de uma garota que sonha...

Olá pequenas,
Não sei se lembram de mim,
Bom estava hoje com meus cotidianos fantasmas das lembranças e senti saudades daqui então vim dar um cheiro.
Fiz tratamento por neve meses, e então desisti, convenci a todos de que estava "bem", e de fato reconheço que estou bem melhor se comparado ao nível de depressão que atingi.
Nunca mais me pesei, por pavor só de pensar nos números, evito me olhar no espelho porque não gosto da imagem, porém tenho me alimentado de uma forma saudável, e não sei bem o que pensar a respeito disso.
Espero que muitas aqui tenham melhorado, e sim, sinto muita falta do meu pequeno mundo, se é o que se perguntam sobre minha "passada" vida com o transtorno. Pois acredito que muitas aqui saibam que o T.A. é um vício, como drogas ou álcool, sempre haverá um pé nesse mundo.
Não me conformo com o fato de meu blog ter sido descoberto, minha mãe descobriu e passou para um zilhão de pessoas, não a perdoo por isso, eu gostaria de poder continuar escrevendo aqui, não sobre T.A. mais sobre o que sinto, meus medos e conquistas.
Mais as pessoas que ficaram sabendo daqui principalmente minha mãe, me punem e não compreendem de forma alguma os meus sentimentos, se  dizem que compreendem mais me questionam sobre cada vírgula,  isso me sufoca e  me impede de desabafar aqui, mesmo que de uma forma meio que anônima.

Muitos beijos...